Publicado por José Geraldo Magalhães em Geral - 20/09/2013

Palavra Episcopal maio 2007

 

Bispo Adolfo Evaristo de Souza, Bispo da Região Missionária da Amazônia - REMA

"O que era desde o princípio, o que temos ouvido, o que temos visto com os nossos próprios olhos, o que contemplamos, e as nossas mãos apalparam, com respeito ao Verbo da vida (e a vida se manifestou, e nós a temos visto, e dela damos testemunho, e vo-la anunciamos, a vida eterna, a qual estava com o Pai e nos foi manifestada), o que temos visto e ouvido anunciamos também a vós outros, para que vós, igualmente, mantenhais comunhão conosco. Ora,a nossa comunhão é com o Pai e com Seu Filho, Jesus Cristo. Estas coisas, pois, vos escrevemos para que a nossa alegria seja completa." - I Jo. 1.1-4.

O texto bíblico em destaque reflete a compreensão de João, o evangelista, sobre o ser cristão, ou seja, uma pessoa que se torna discípula e testemunha da vida manifesta em Jesus de Nazaré, e no Cristo ressurreto, presente pela ação do Espírito Santo; portanto, a vida eterna.

Desta relação bem estabelecida é gerada uma comunhão: verdade, paz, harmonia, amor, perdão, segurança, justiça, missão; tanto numa perspectiva vertical como na horizontal, provendo a verdadeira felicidade.

O ser = pessoa é o responsável por alcançar este nível de fé, refletindo assim o que acima se descreveu, a unidade do Reino de Deus, sabendo de antemão que as incoerências individuais maculam o testemunho institucional, impedindo-a de demonstrar a justiça em toda a sua pureza, como podemos ver lendo as sete cartas às Igrejas (Apocalipse 2 e 3).

Wesley seguiu este caminho e após 53 anos de ministério frutífero partiu desta terra para a igreja triunfante e perfeita em 02 de março de 1791 dizendo: "O melhor de tudo é que Deus está conosco".

Portanto, espalhar a Santidade Bíblica é uma prerrogativa pessoal que é enriquecida pela comunhão dos fiéis, provocando a reforma constante da instituição e, por contrapartida, da nação.

O XVIII Concílio Geral, recém concluído, tomou decisões consentâneas com a nossa missão histórica ao priorizar a fidelidade vocacional, por meio do Plano Nacional Missionário, pois respondeu à declaração do Plano para a Vida e Missão, aprovado no XIII Concílio Geral de 1982, quando dizia que "o metodismo brasileiro está saindo da profunda crise de identidade que abalou nossa igreja, após a primeira metade da década de sessenta" PVIM 1982 (grifo meu).

Aqueles e aquelas que conhecem a nossa história recente podem perceber que a questão da IDENTIDADE não estava resolvida.

Tal esforço provocou uma reação enérgica ao ecumenismo institucional e as conveniências, de décadas, de metodistas com a maçonaria e muitos ainda estão procurando entender o que aconteceu.

Isto posto, pede-se um novo tempo para trabalhar o que o Plano para a Vida e Missão (que completou 50 anos no dia 25 de março pp.) projetou, agora sob a égide da Fidelidade Vocacional, num contraponto ao relativismo filosófico e teológico do humanismo globalizador.

Estou certo de que todos e todas somos devedores a Deus Pai e o seu plano de redenção de toda a humanidade, por meio do Seu Filho e na perspectiva de um novo céu e uma nova terra, onde habita a justiça, pois o veremos novamente, assim como da terra foi tirado.

Os sinais da nossa degradação terrena têm vindo à tona com muita força; até os incrédulos enxergam e começam a tremer e a trabalhar o nosso meio ambiente na perspectiva de salvar o planeta.

As muitas igrejas expressam incoerências de testemunhos e confusão de princípios e proclamam muitos sonidos incertos, o que também não é diferente dentre muitos militantes do ecumenismo que pensam que a paz somente acontecerá por meio do ecumenismo; ledo engano! Não por minhas convicções pessoais, mas em decorrência do testemunho bíblico da parúsia (segunda vinda de Jesus Cristo à terra).

A Santidade Bíblica, profundamente refletida, entendida e praticada, ainda é a que pode sustentar outros movimentos que têm surgido no decorrer dos séculos, inclusive o movimento ecumênico que surgiu no arraial metodista com interação de presbiterianos, luteranos, anglicanos e batistas.

A justiça do Reino de Deus não pode estar dissociada do caráter e da vida ressurreta de Cristo Jesus, pois sem esta base o senso de justiça sempre será falso, não se sustentará, e de nossa parte, enquanto Movimento de Santidade, é verdade histórica que o movimento sempre se firmou por meio de Concílios = Conferências; a de 1744 na Inglaterra; a de 1784 nos Estados Unidos e nós brasileiros passamos a valorizar mais nossos Concílios a partir da década de 70.

Em suma, metodismo continua a ser movimento onde cada testemunha, seja homem ou mulher, exerce papéis importantes, formados na premissa paulina de que o "homem espiritual tem a mente de Cristo".

Portanto, decisões conciliares devem ser acatadas com temor e tremor, diante de Deus e diante dos homens e mulheres.

Que se permita um novo tempo ao metodismo brasileiro, a fim de que possamos fazer diferença em prestar uma colaboração justa pela salvação de almas e pelo bem estar do nosso país.

Jesus Cristo é o Senhor!


Posts relacionados

Escola Dominical, Departamento Nacional de Trabalho com Crianças, Geral, por Sara de Paula

Como criar jovens e adolescentes com valores cristãos

O Departamento Nacional de Escola Dominical sugere um trabalho que luta contra os valores de uma sociedade adoecida

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães