Publicado por Sara de Paula em Colégio Episcopal - 24/06/2021

Vozes em lamento, exortação e oração!


Fotografia de ONG Rio de Paz, em protesto por 500 mil mortes do Brasil. Rio de Janeiro, junho de 2021

Vozes em lamento, exortação e oração!
(CLIQUE AQUI PARA BAIXAR EM PDF)

"Portanto, confessem os seus pecados uns aos outros e orem uns pelos outros, para que vocês sejam curados. Muito pode, por sua eficácia, a súplica do justo."
(Tiago - 5.16)

 

Irmãos e irmãs da Igreja Metodista, que o consolo do nosso Deus esteja com suas comunidades e famílias nesse tempo de luto coletivo. No Brasil, atingimos o número de 500 mil mortes por Covid-19 na última semana, além de novo recorde de infecções. Algo trágico e desafiador.

Ao longo de todos esses meses de pandemia, o Colégio Episcopal veio se manifestando por meio de pronunciamentos com recomendações pastorais, que admoestaram sobre a oração como caminho de esperança; a importância da vacinação contra a COVID e a necessidade de perseverar e crer no Deus de toda a consolação. Hoje, além de reafirmarmos tudo isso, erguemos a nossa voz em lamento, exortação e oração. 

Não podemos ignorar o marco de mais de 500 mil pessoas mortas e famílias enlutadas – cerca de 5 milhões de pessoas – em nosso país. Dentre tantas perdas, somamos as ocorridas no seio das famílias metodistas, incluindo pastores, pastoras e lideranças leigas. Tamanha tragédia se intensifica pela maneira do nosso país em lidar com a pandemia.  A desinformação sobre a doença, a falta de imunizantes, os desrespeitos ao distanciamento social, ao uso de máscara e álcool em gel, a inaptidão do poder público na orientação de medidas seguras e comprovadamente científicas para o enfrentamento do vírus e os comprovados desvios de recursos destinados à saúde vêm colaborando para o avolumar de dor e morte entre nós.

O pecado, tanto dos mandatários do poder público, quanto de quem nega a gravidade da pandemia, promovendo aglomerações, deve ser encarado pela igreja como um pecado social grave contra a vida. As mortes, especialmente aquelas que aconteceram em decorrência de falta de leitos de UTI ou da escassez de oxigênio, não devem ser entendidas de forma alguma como a boa, perfeita e agradável vontade de Deus. Em tudo isso, não podemos nos conformar com o padrão do mundo que naturaliza a morte evitável, mas sim questionar e denunciar, de forma racional, tais atrocidades.

Em seu ministério, John Wesley foi desafiado a lidar com questões sociais graves, como a guerra e a escravidão, e em nenhum dos casos, atribuiu à vontade de Deus o que de fato era responsabilidade humana. Ele incentivou que metodistas tivessem posicionamentos coerentes e equilibrados com relação aos temas, de forma crítica e racional, ainda que isso estivesse em conflito com o senso comum, autoridades ou leis, tendo como guia a justiça e a preservação da vida humana.

Certa vez escreveu Wesley sobre a escravidão: “o grande clamor é este: estas coisas são autorizadas pela lei”. “Mas pode uma lei, uma lei humana, mudar a natureza das coisas? E ela transformar trevas em luz, maldade em bondade? De forma alguma.” (Pensamentos sobre a escravidão, John Wesley, 1774).

À semelhança de Wesley, instamos a Igreja Metodista do Brasil a olhar para o difícil momento e as múltiplas crises que o país enfrenta, se posicionando de forma realista, verdadeira, cristã e corajosa. Sem perder, no entanto, a capacidade de confiar no Deus de toda consolação, de chorar com os que choram e de suportar uns aos outros e umas às outras em amor.

São muitas as vozes que choram as perdas e as saudades. Assim como Jesus, que chorou diante de momentos difíceis como ante a Jerusalém e diante do amigo morto, nós choramos e nos solidarizamos com cada uma destas famílias enlutadas.

Choramos com quem chora, mas não só isso. Clamamos a Deus por cura, restauração, sanidade e salvação! Oramos por um milagre e reafirmamos a importância de seguirmos as orientações vigentes para o combate desta pandemia: os usos de máscara e álcool em gel, a vacinação e a obediência das medidas de distanciamento social.

Que a graça consoladora seja sobre cada coração nestes dias tristes. Recebam nossa solidariedade e o nosso abraço.

 

Em Cristo Jesus,


Colégio Episcopal da Igreja Metodista
24 de junho de 2021.


Ouça o documento:


Posts relacionados

Colégio Episcopal, por Sara de Paula

Reunião do Colégio Episcopal começa hoje em São Paulo

A COGEAM também se reunirá essa semana na Sede Nacional.

Colégio Episcopal, Entrevistas, Cogeam, Expositor Cristão, Destaques Nacionais, Mulheres, Discipulado, Pastoral do Combate ao Racismo, Social, por José Geraldo Magalhães

Expositor Cristão de janeiro: Igreja Metodista reafirma o combate ao Racismo

Expositor Cristão já refletiu várias vezes sobre a diversidade, intolerância religiosa e racismo. O Colégio Episcopal fez vários pronunciamentos reafirmando a doutrina da Igreja Metodista combatendo essas chagas sociais que têm diminuído várias pessoas. Retomei o assunto nesta edição. A princípio, seria apenas sobre a chacina que ocorreu no Rio de Janeiro envolvendo cinco jovens que foram mortos por policiais, mas a pauta se ampliou. Parece que o assunto ainda não foi esgotado na vida de muitas pessoas. O caso mais recente de injúria racial ocorreu no 1º Concílio Regional da Sétima Região Eclesiástica, no início de dezembro, quando foi feita uma denúncia ao plenário. “Desbancamos o urubu”, disse a denunciante ao ouvir a expressão de um pastor sobre outro pastor após as eleições da lista tríplice.

Colégio Episcopal, Expositor Cristão, Destaques Nacionais, Vídeos, Oficial, Mídia, Geral, por Marcelo Ramiro

Jornal Expositor Cristão completa 129 anos de história

A Igreja Metodista está em festa! O Expositor Cristão completou 129 anos de história. É o jornal evangélico mais antigo ainda em circulação no Brasil!

Destaques Nacionais, Colégio Episcopal, por José Geraldo Magalhães

Membro do Comitê Permanente de Consenso e Colaboração do CMI envia relatório ao Colégio Episcopal

Eleita em 2006 para integrar o Comitê Permanente de Consenso e Colaboração do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), Magali do Nacimento Cunha, envia relatório das atividades desenvolvidas ao Colégio Episcopal da Igreja Metodista. Em reunião do Comitê Central reunido em julho de 2014, Magali foi eleita membro da Comissão Fé e Ordem do CMI.