Publicado por José Geraldo Magalhães em Destaques Nacionais - 23/06/2015

Palavra do Colégio Episcopal: Raquel chorando a morte de seus filhos e filhas!

 
 
 
“Uma voz em Ramá foi ouvida, pranto e grande lamento: Raquel  chorando os filhos e filhas dela, e não queria ser consolada, porque já não existem”. (Mateus. 2.19)
 
Irmãs e Irmãos Metodistas
Discípulas e discípulos de Cristo
Graça e Paz!  
 
  A agressividade tem sido tomada como algo inerente à natureza humana, e, em grande medida, considerada como força propulsora no desenvolvimento da Humanidade, em seu processo civilizatório.
 
Contudo, nesta jornada dita “civilizatória” incorporou-se a violência, como ato determinante à distinção entre diferentes culturas e etnias, como justificação das diferenças entre elas, em termos do que é uma cultura superior em detrimento de outra considerada inferior. 
 
Uma marca histórica desta diferenciação discriminatória entre povos e culturas superiores, e povos e culturas inferiores, está presente no olhar seletivo de determinadas categorias sociais, políticas, econômicas, culturais e étnicas, com que se medem as pessoas e definem o seu lugar social. A organização de Estados escravocratas criou um caldo de cultura social, política e religiosa no qual o modelo de superioridade das etnias brancas torna-se referencial de superioridade, em relação as demais etnias, notadamente a negra. 
 
A convencionar-se este padrão superioridade, os atos de imposição são eticamente aceitáveis, para garantir-se a hegemonia em relação aos bens produzidos, bem como de privilégios e de supremacia diante da organização da sociedade e dos institutos legais. Isto aconteceu nos Estados Unidos da américa, isto aconteceu no Brasil.
 
Por isso, as raízes de atos racistas, discriminatórios e de intolerância, que frequentemente são noticiados, tem raízes antigas e profundas em nossa sociedade; que se organizou a partir destas categorias de relações: superioridade X inferioridade.
 
Assim, em momentos de maior comoção social, como fatos recentes demonstram, o confronto destes contratos sociais latentes, oriundos ainda do período da escravidão, traduz-se forma discriminatórias e preconceituosas; que são as formas veladas de perpetuar-se o racismo, e tentativas de se estabelecer o lugar destinado às pessoas consideradas inferiores. 
 
Ainda que as leis que legitimaram a escravidão estejam há mais de um século revogadas, o espirito do apartheid mantém-se, subliminarmente, nos indicadores econômicos e nas vítimas da violência gerada por conflitos urbanos, tráfico de drogas, ações de órgãos repressão, no acesso a políticas públicas, na garantia dos direitos fundamentais à vida, tanto aqui como lá.
Por isso, os episódios de violência racial/étnica de um jovem branco, assassinando nove pessoas, irmãos e irmãs metodistas da African Methodist Episcopal Church, em Charlston,
Carolina do Sul, traz a luz aquilo que ainda está latente em nossa sociedade e tem sua erupção em momentos imprevisíveis.
 
Como cristãos e cristãs precisamos declarar que racismo e intolerância são caminhos de eliminação da outra pessoa; são caminhos de morte. Portanto, além de manifestações de solidariedade e apoio às famílias; precisamos trazer à luz algo mais profundo sobre estes atos, para a reflexão e ação em nossas comunidades.
 
 Qualquer pessoa ou grupo que se declare evangélica, e atentar contra a integridade física, moral e religiosa de alguém; não representa o povo cristão e evangélico chamado metodista. 
Nosso desafio é amar as pessoas e estabelecer caminhos de diálogo que restaure a comunhão com Deus e a vivência fraternalmente entre diferentes línguas, povos, nações, culturas, etnias, como fez Jesus. Este dado não limita a ação missionária da Igreja, mas potencializa.
 
Precisamos reafirmar que a Escravidão de povos africanos, foi um crime contra a humanidade; ainda que, oficialmente, organismos internacionais de representação, como a ONU, OEA, etc. tenha reconhecido como tal.
 
 Também, que atos de racismo, preconceito e intolerância constituem em pecado contra o Evangelho. Lutamos por um Estado Laico e pela liberdade de culto.
 
Atos de intolerância religiosa, são expressões tristes de uma realidade que nos desafia à radicalidade do amor, como carisma às atitudes nos quais cada ser humano, que luta pelo bem-estar social, procura realizar, cotidianamente, a imitação de Cristo, no caminho da santidade e da reconciliação.
 
Assim, aliamo-nos as manifestações de repúdio aos atos de violência, e, manifestamos a nossa solidariedade às famílias atingidas por tragédias geradas pelo racismo, preconceito e intolerância.
 
Lembremo-nos de que Jesus Cristo veio para trazer vida, e vida em abundância!
 
Fraternalmente,
Bispo Luiz Vergílio (em nome do CE)

Tags: Colégio Episcopal,


Posts relacionados

Destaques Nacionais, por Sara de Paula

Juvenis promovem Culto Nacional do Dia do Coração Aquecido

A Confederação Metodista de Juvenis promove hoje, dia 22 de maio, às 20 horas, um culto nacional em comemoração ao Dia do Coração Aquecido. A data de 24 de maio marca a experiência religiosa de John Wesley.

Destaques Nacionais, por José Geraldo Magalhães

4ª Região Eclesiástica convida os metodistas para participarem da Campanha Doe Água Mineral

Por conta da suspensão do abastecimento de água em algumas cidades da 4ª Região Eclesiástica, por causa da onda de rejeitos das barragens de Mariana/MG, a Igreja Metodista na Quarta Região se junta ao Governo do Estado do Espírito Santo para ajudar na Campanha de Doação de Água Mineral para auxiliar os moradores das cidades que foram afetadas. Todos os metodistas do Brasil podem fazer a doação.

Destaques Nacionais, por José Geraldo Magalhães

Bispo Paulo Lockmann participa de Conferência na Albânia

Capital de Albânia, a cidade de Tirana foi o lugar escolhido para a realização da Conferência da Paz, que é organizada pela Comunidade de Sant'Egidio. A Conferência anual reuniu, de 6 a 8 de setembro,  líderes religiosos de diversos países, entre eles evangélicos, ortodoxos, católicos, e  cristãos coptas da Etiópia e Egito.

Destaques Nacionais, por Marcelo Ramiro

Expositor Cristão: existe competitividade no Ministério Pastoral?

A suposta “profissionalização do pastor e da pastora” tem introduzido gradativamente uma mentalidade de competitividade. Os modelos de megaigrejas, presença na mídia, subsídios acima da realidade média de boa parte da sociedade são tidos como ministérios bem-sucedidos e, de forma geral, acabam por gerar a aspiração do alcance de tais patamares como um meio lógico da demonstração da bênção divina. Na verdade, muito aquém da bênção divina, percebemos que essa suposta competitividade tem sido um entrave para a vida e para a missão da igreja. 

Destaques Nacionais, por José Geraldo Magalhães

Lideranças da Igreja Metodista participam de consulta missionária na Alemanha

O Presidente do Colégio Episcopal, bispo Adonias Pereira do Lago acompanhado do Assessor de Expansão Missionária, bispo João Carlos Lopes e da Secretária para a Vida e Missão, revda. Joana D' Arc Meireles participam de consulta missionária em Karlsruhe, na Alemanha.

Destaques Nacionais, Missionária, por José Geraldo Magalhães

Participe do 1º Projeto Missionário Nacional Uma Semana Pra Jesus

Seja um voluntário no 1º Projeto Missionário Nacional Uma Semana Pra Jesus na cidade de Porto Seguro/BA. O projeto será entre no mês de setembro. Faça sua inscrição parcelada e reserve sua vaga nesse marco histórico da Igreja Metodista.