Publicado por José Geraldo Magalhães em Geral - 13/09/2013

Igrejas serão ponto de recebimento de armas na campanha do desarmamento de 2011

A nova Campanha do Desarmamento incluirá igrejas e ONGs entre os locais de recolhimento de armas e reduzirá a burocracia na coleta, dispensando o detentor do armamento de se identificar. Essas são as principais novidades do recolhimento, que terá início no dia 6. O objetivo é que todos os municípios tenham postos da campanha.

Nas iniciativas nacionais anteriores, no ato da devolução da arma de fogo, o cidadão tinha de dar informações pessoais, como o número do CPF e de uma conta bancária, para o governo depositar a indenização. Na nova campanha, ao entregar a arma, o cidadão vai receber uma autorização para retirar o valor em uma agência do Banco do Brasil ou em caixas eletrônicos. De acordo com o Ministério da Justiça, os valores de indenização continuarão os mesmos, variando de R$ 100 a R$ 300. Para este ano, o orçamento da pasta para o programa de indenizações é de R$ 10 milhões.

Ao manter o anonimato e não obrigar a pessoa a ir a um posto policial – como ocorria nos anos anteriores -, o governo espera receber mais armas que em outras campanhas, incluindo ilegais. A medida foi anunciada após a primeira reunião do Conselho de Desarmamento, que inclui o governo e diversas entidades da sociedade civil.
Munições

Outra inovação proposta por essas entidades, no entanto, não prosperou. O cidadão não terá direito a receber indenização por munições entregues. Segundo o governo, a legislação atual não prevê esse ressarcimento.

A Campanha do Desarmamento deve durar até o fim deste ano, embora a gestão da presidente Dilma Rousseff já tenha levantado a possibilidade de tornar o recolhimento de armas permanente.

Fonte: Estadão


Posts relacionados

Geral, por Sara de Paula

Nota do CE sobre a suspensão de atividades dos Colégios Metodistas em Ribeirão Preto e São Bernardo do Campo

Nós, bispos e bispa do Colégio Episcopal da Igreja Metodista, informamos aos irmãos e irmãs metodistas que estamos acompanhando os desdobramentos da recuperação judicial das Instituições Metodistas de Ensino, e participando das decisões que entendemos serem melhores para o futuro da Igreja e da Educação Metodista.

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães