Publicado por José Geraldo Magalhães em Destaques Nacionais | 14/08/2015 às 14:30:23


Palestra de bispa metodista em evento internacional traz reflexão sobre a importância da leitura


 
No último dia da Feira Literária Internacional Cristã (FLIC), a Confederação Metodista de Mulheres Metodistas em parceria com a Revista Voz Missionária convidou a bispa Marisa de Freitas Ferreira para falar sobre o tema da “Mulher cristã e a formação intelectual”. Várias lideranças da Igreja participaram das palestras e estiveram conhecendo o Estande da Angular Editora. O evento iniciou na quarta-feira (12) no Espaço São Luis, em São Paulo, e termina hoje à noite.
 
Com uma exibição do Curta Metragem “Vida Maria”, a bispa provocou as pessoas presentes com as seguintes perguntas: “Qual o papel que temos numa vivência familiar? Por que todos não podem aprender a ler também? Por que a gente permite que os meninos tenham uma liberdade pelo ponto de vista filosófico e as meninas são estimuladas a outros afazeres domésticos?”. Ouça a palestra na íntegra abaixo!
 
 
A bispa Marisa expôs ao longo da palestra a pedagogia freiriana para dizer sobre a importância de se fazer uma leitura da realidade em nosso tempo. “Temos o saber que gera poder. Quando temos o saber, conseguimos expressar melhor os sentimentos. O método de Paulo Freire é essencial porque o educador chegava no interior do Brasil, não somente para ensinar a ler, mas para mostrar a realidade das pessoas por meio do ensino da leitura”, disse destacando que a palavra é o veículo para traduzir o “sentimento da alma”.A bispa também lembrou a própria experiência de quando saiu de casa aos 18 anos para fazer teologia e como a leitura, o ensino e aprendizado a fizeram ver o mundo de uma forma diferente.
 
“Com o tempo eu fui percebendo que o projeto de Deus, é outro para a humanidade. Portanto, deve ser interesse da sociedade o crescimento de todos, da mulher e do homem em grau de igualdade”, disse a bispa que também tem formação em medicina e teologia.
 

 
Os projetos das mulheres que são vetados nas igrejas locais também foram destacados. De acordo com a palestrante é preciso ter consciência que as igrejas são regidas por leis internas e externas; o que garante o direito de cada membro para argumentar seus direitos e deveres. “Muitas vezes as mulheres se recuam quando seus projetos são banidos porque falta-lhes o conhecimento das leis e da Palavra”, enfatizou. Ainda segundo a bispa não há interesses em dividir o poder. Portanto, a literatura tende em ajudar a adquirir argumentação em várias instâncias da sociedade.
 
Mulheres Metodistas com Voz Missionária – Com 86 anos de vida, a revista Voz Missionária é um dos selos da Angular Editora. A revista é uma das parceiras da Confederação Metodista de Mulheres. De acordo com a presidente da Confederação, Ivana Garcia Aguiar, ao longo dos anos a Voz Missionária tem deixado uma marca expressiva na vida das pessoas e da sociedade.
 
“Por meio da revista nós podemos ir melhorando nosso conhecimento da Palavra de Deus. Nos alegramos como confederação metodista de mulheres em ter essa Revista que tem contribuído com o cristianismo no país e, principalmente, com nossas igrejas”, destacou. 
 
A Feira Flic – A feira está em sua IV edição. É a primeira vez que a Igreja Metodista é representada pela Angular Editora e seus cinco selos em uma feira literária. Um dos selos, o jornal Expositor Cristão, recebeu o prêmio Areté de melhor jornal evangélico do Brasil na noite de ontem (13); um marco para o povo metodista. 
 
"Participar como a Editora Angular é o início de uma caminhada que vai se fortalecendo. Com o prêmio Areté, é um momento importante para a literatura metodista, brasileira e para o jornalismo na vida da Igreja", disse a Secretária para a Vida e Missão da Igreja Metodista.
 
VEJA TAMBÉM:
 

Tags: Flic, Expositor Cristão, Voz Missionária, No Cenáculo, Editeo, Escola Dominical, Prêmio Areté