Publicado por José Geraldo Magalhães em Geral - 20/09/2013

reflexão pastor Fernando

Finados

O Dia de Finados não é uma data presente no calendário metodista. Cremos que somos salvos pela fé e iremos para junto do Pai. Por isso, não intercedemos a Deus pela salvação daqueles que já faleceram, pois entendemos que a salvação é uma decisão pessoal que se toma em vida. Deus dá a você liberdade de escolha e está sempre de braços abertos, pronto a perdoar os seus pecados e recebê-lo com amor. Por isso, quando nos lembramos daqueles que já faleceram, nossas orações são de gratidão pela vida eterna. Pedimos, também, que Deus nos console nos momentos de saudade. Veja a seguir alguns textos que falam de morte, vida, saudade e esperança.

 

Creio em Deus, Pai, Todo-Poderoso,

e também na ressurreição do corpo e na vida eterna.

 

O girassol nos lembra que a semente precisa morrer para que a planta floresça e frutifique. Voltada sempre ao sol, ela também nos convida a nos voltarmos para o Cristo Ressurreto.

 

Por Rev. Fernando Cezar Moreira Marques, pastor da Igreja Metodista na Lapa, 3ª RE.

Vez por outra lembro-me de meu pai. A proximidade do feriado me faz pensar que nunca mais voltei ao cemitério depois de seu sepultamento, há 10 anos.

Bom sujeito. Alegre, conversador, prestativo. Só tinha um defeito: não sabia dizer "Não!".

Neste momento, em que relembro vários episódios vividos ao lado de meu pai, rio sozinho e também quase choro sozinho. Penso em realizar um ato (um culto, um momento devocional), ainda que individual, para reverenciar sua memória.

"Isso, farei um culto!", decido-me. E me ponho a pensar que no ato que um dia hei de realizar (sozinho, escondido, para não correr o risco de escandalizar alguém), celebrarei o dom da vida. Agradecerei a Deus pelo tempo que Ele permitiu que partilhássemos de sua companhia, pelas muitas lições que pude com ele aprender, pelos momentos alegres e divertidos, pela oportunidade de estar com meu pai durante a enfermidade que o fez partir tão cedo, pela saudade que deixou em todos que o conheceram. Cantarei o seu hino preferido. Lerei o salmo que ele sabia de cor. E na hora da mensagem, pregarei, para mim mesmo, as palavras de esperança pronunciadas por Jesus: "Se alguém crê em mim, ainda que esteja morto, viverá!".

Claro que não concordo com as práticas supersticiosas e carentes de sentido do catolicismo popular no que se refere ao Dia de Finados. Mas também não posso, como já ouvi de alguns crentes mais conservadores, desprezar (sisudamente, com a arrogância de quem defende a fé de ataques inimigos) a memória de meu pai e de outras pessoas queridas que, falecidas, não deixaram de ser amadas e lembradas por mim.

-- Uma vez morto, o assunto é com Deus. Não adianta ficar acendendo vela nem levando flores ao túmulo!, dizemos, nós, protestantes, esquecendo-nos que o ato de reverenciar a memória pode, se desenvolvido de forma sensata e equilibrada, ter efeito terapêutico para quem sofre a dor da saudade.

É o meu caso. Que saudade do seu Chiquinho!

Talvez não seja no dia 2 de novembro, para evitar qualquer mal-entendido, mas ainda vou tirar um dia para apresentar a Deus minha gratidão e também minha saudade. Sem me culpar, achando que, fazendo isso, estarei negando minha fé. Ao contrário.

 

LEIA TAMBÉM:

Para os salvos, a morte não é o fim da vida, mas o início da vida eterna com Deus. Pastora Márcia Zanfranceschi, Igreja Metodista em Votuporanga, 5ª Re. Clique aqui.

Culto em memória: Na Igreja Metodista, uma celebração de vida. Clique aqui.

E você, já morreu hoje? Uma reflexão do Rev. Daniel Rocha, pastor da Igreja Metodista em Itaberaba, 3ª Re. Clique aqui.

 

 


Posts relacionados

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães

Geral, por José Geraldo Magalhães