Publicado por José Geraldo Magalhães em Pastoral do Combate ao Racismo, Destaques Nacionais - 29/09/2013

Violência contra Jovens

eva regina pereira ramaoEstudo elaborado por Julio Jacobo Waiselfisz, Mapa da Violência 2013: Homicídios e Juventude no Brasil, publicado pelo Centro de Estudos Latino-Americano - CEBELA, mostra que os negros são maioria das vítimas de homicídios no Brasil. A violência contra os jovens brasileiros aumentou nas ultimas décadas. De 1980 a 2011, as mortes não naturais e violentas de jovens - como acidentes, homicídios ou suicídios - cresceram 207,9%. Considerando só os homicídios, o aumento foi de 326,1%.  O homicídio é a principal causa de mortes não naturais e violentas de jovens. Em 2011, a cada 100 mil jovens, 53,4 foram assassinados. Os crimes foram praticados contra pessoas entre 14 e 25 anos. Segundo o estudo, o aumento da violência entre pessoas dessa faixa etária demonstra a omissão da Sociedade e do Poder Publico em relação aos jovens. Outro dado para nossa reflexão: os homicídios de negros crescem 5,6% em oito anos, enquanto brancos caem 24,8% (para ver o estudo na íntegra acesse http://oglobo.globo.com/arquivos/mapa_2013_jovens.pdf). Em palestra o Prof. Ricardo Cappi, no Seminário Oportunidades para Juventude Negra, promovido pela SEPPIR, em maio/2013, em Porto Alegre - RS, chamava atenção para os discursos de parlamentares brasileiros sobre a redução da idade penal do jovem, que trazem os olhares da visão de mundo deles, inclusive sobre a juventude negra. O olhar lançado sobre o jovem negro caracteriza-se por negatividade, pois zera a pessoa, como sujeito. A partir deste olhar a representação no serviço penal é: se o outro é construído como coisa não há interação, mas sim eliminação. A resposta será de eliminação, de repressão, do tipo violência. É uma maneira de lidar com o conflito, tirando o outro da existência. E isto significa dizer: não há lugar para você! Estamos diante do racismo institucional.  A omissão da Sociedade e do Poder Público está contribuindo para o aumento dos homicídios de jovens negros. E nós cristãos o que temos feito?  A Igreja Metodista reconhece a existência do racismo, tanto que elaborou a Carta Pastoral Sobre Racismo e neste ano produziu um vídeo.  O reconhecimento da existência do racismo é um passo importante no enfrentamento ao racismo, pois a partir disso seremos estimulados a agir. A Ênfase 6: Promover maior comprometimento e resposta da Igreja ao Clamor do Desafio Urbano (Plano Nacional Missionário 2012/2016), precisa ser seguida por todas as  Áreas  de Vida e Trabalho  da Igreja. Há necessidade da Igreja como um todo partir para ações concretas de enfrentamento ao racismo e a discriminação racial. Assim, pois amados meus, como sempre obedecestes, não só na minha presença, porém muito mais agora, na minha ausência, desenvolvei a vossa salvação com temor e tremor; porque Deus é quem efetua em vos tanto o querer como o realizar, segundo a sua boa vontade. Filipenses 2 : 12-13.

Eva Regina Pereira Ramão
Referência Nacional de Combate ao Racismo


Posts relacionados

Destaques Nacionais, por José Geraldo Magalhães

Comissão Geral de Constituição e Justiça se reúne em São Paulo, neste sábado (6)

O encontro está sendo na Sede Nacional da Igreja Metodista. As decisões você confere na próxima edição do jornal Expositor Cristão.

Destaques Nacionais, por José Geraldo Magalhães

Bispo Stanley da Silva Moraes permanecerá internado no Hospital das Clínicas de dez a 15 dias

O Secretário do Colégio Episcopal da Igreja Metodista, bispo Stanley da Silva Moraes, foi submetido a uma cirurgia de transplante de rins na manhã de domingo (31) e deve permanecer internado no Hospital das Clínicas, em São Paulo, de dez a 15 dias.

Destaques Nacionais, por José Geraldo Magalhães

Presidentes de Igrejas Evangélicas se reúnem em São Paulo

Alguns presidentes das igrejas evangélicas estão reunidos hoje a tarde na Sede Nacional da Igreja Metodista em São Paulo. Veja quais igrejas estão representadas!